Geração Alpha a ditar as regras…

Geração Alpha

Ontem ao almoço o Pedro Vieira falou-me do artigo da Sandra Alvarez no Público mas já a noite ia longa e não me tinha sido possível ler o dito. Eis senão quando, o tal artigo me aparece num alerta do Facebook. Não é tarde nem cedo, vamos lá ver o que escreve a Sandra sobre a Geração Alpha.

A coisa parece-me começar logo mal. No primeiro parágrafo escreveu a autora:

Assim, depois das gerações Z (2000-2010) e Y (1985-1999), que ainda no início do ano passado despertavam especial atenção junto das marcas enquanto as primeiras gerações digitais e verdadeiramente globalizadas, está agora na altura de ficarmos atentos à geração Alpha.

Na minha opinião (que é somente isso, a minha opinião), ou a autora estava atrasada o ano passado, quando achou que as gerações Z e Y estavam a despertar as atenções, ou a autora está muito adiantada agora deixando um ano de intervalo entre o despertar de atenções de uma geração e a outra seguinte.

Eventualmente haverá ainda uma terceira opção: a autora estava atrasada o ano passado e está muito atrasada este ano. Este argumento ganha força no parágrafo seguinte.

Geração Alpha, a que vem depois da Z

Escreve Sandra Alvarez que há poucos dados sobre a Geração Alpha. Diz-me o Google que nem por isso mas, já antevendo o argumento de que há muita coisa no Google que não interessa, passei também pelo site Academia.edu onde encontrei vários trabalhos académicos sobre o tema. Sendo que neste site também se poderão encontrar coisas que não interessem, vamos assumir, para bem da discussão, que há efetivamente muito material de trabalho sobre o tema.

E se era a outros dados que a autora se referia, bem, Mark McCrindle (uma das pessoas a quem se atribui o uso do termo Geração Alpha) há já alguns anos que se dedica a recolher e compilar informação que também a poderia esclarecer.

Mas o parágrafo continua e, poucas linhas depois de nos ter dito que estava na altura de ficarmos atentos à Geração Alpha, dá como referência um documentário da Heinz Papinhas (não perguntem). Certo, é uma fonte como outra qualquer mas (porque os mas são sempre muito importantes nestes argumentos) o que causa alguma estranheza é que o documentário em questão foi apresentado em 2013.

2013. 3 anos antes das gerações Z e Y terem despertado a atenção da autora já a Heinz Papinhas apresentava um documentário sobre a Geração Alpha, sobre a qual diz Sandra Alvarez “está agora na altura de ficarmos atentos”. Agora, em 2017.

A estranheza continua

Daqui em diante várias outras coisas me causam estranheza ou fazem confusão. Entramos na descrição mais ou menos polémica da referida Geração Alpha. Pouco falta para dizer que os indivíduos desta geração já nascem de chip eletrónico atrás da orelha. Não diz mas nem por isso deixa de os assumir como verdadeiros ciborgues:

…integrando-os (os dispositivos tecnológicos) sim na sua vida de forma tão natural que já nem sequer pode ser considerada como uma extensão dos próprios — como constatámos com a geração Z —, mas sim como parte de si.

Também gostava de saber em que diacho se baseia a autora para achar que estes indivíduos terão “forte apetência para criar marcas e empresas desde muito cedo — talvez desde crianças” ou o que quer exactamente dizer com “o ensino escolar será menos didático” e entristece-me sinceramente, pensar que esta nova Geração Alpha possa ser um grupo de meninos mimados “esperando que tudo seja customizado de acordo com as suas necessidades”.

E depois, eis que me lembro das relações humanas e do texto do Luís Bettencourt Moniz, onde se lia sobre “a emergência do H2H (Human to Human)” e sobre as pessoas que “querem ser ouvidas e querem conversar”. Curiosa pois a coincidência de, 24 horas depois, escrever a Sandra que os indivíduos da Geração Alpha “comprarão muito mais online e, por isso, terão menos contacto humano do que as gerações anteriores”.

Em que ficamos? Na fantasia utópica do Luís ou na realidade (desculpem o abuso mas certamente perceberão o sentido) distópica da Sandra?

Relações humanas são coisas boas de se cultivarem. Principalmente entre humanos.

Relações Humanas e Almas Vendidas Pedro Rebelo

A Joana Sousa (uma pessoa, ou ‘ssoa, humana) chamou-me à atenção para o artigo Antropocêntricos, simples e complexos, publicado no Negócios pelo Luís Bettencourt Moniz. O assunto abordado é algo que eu e a Joana já há muito discutimos e sobre o qual já contamos com umas largas horas de reflexão.

Escreve o autor:

Hoje, o marketing caminha para ser antropocêntrico ao invés de “digitalcêntrico”. Amanhã ao invés de escrever o “post” vão visitar um cliente, só para ouvi-lo.

Sinceramente, não me parece. Se era bom que assim fosse? Sim. Se há quem o faça e quem o fará? Sim, claro. Se é para lá que o marketing caminha? Não acredito.

Luís Bettencourt Moniz escreve:

O diferenciador de valor residirá naqueles que souberem cultivar as relações humanas e perceber o ponto de vista da pessoa face ao nosso negócio. Tentem vender algo, uma ideia, um produto, mas sem digital.

E aqui residem duas questões:

  1. Em marketing, o valor de um produto ou serviço é tradicionalmente entendido como a expectativa do consumidor quanto aos seus benefícios em relação à quantia paga pelo produto. Ora, haverá certamente uma diferenciação de valor entre aqueles que souberem cultivar as relações humanas e os que não o fizerem mas para que lado penderá essa diferenciação? Dará o consumidor maior valor à relação?
  2. Perceber o ponto de vista do consumidor é hoje uma ciência, mais do que isso, é hoje um gigantesco negócio fundado na exploração tecnológica de uma ciência. Nada contra. Agora, será possível perceber o ponto de vista do consumidor, sem recorrer à tecnologia, ao digital, em tempo útil e de forma economicamente viável para o negócio?

Uma vez mais, e respondendo friamente às duas questões, não me parece. E uma vez mais, se era bom que assim fosse? Sim. Se é para lá que o marketing caminha? Não acredito.

No entanto, fica bem dizer que sim. Um profissional de marketing ganha pontos junto de qualquer Cliente ao dizer que “o consumidor vem em primeiro lugar”, que o que interessa é “cultivar relações humanas”, que deve “tocar emoções”, “procurar o engajamento” (aqui dizem engagement mas é porque acham que engajamento não existe), propor “experiências imersivas”, com “conversas bi-direccionais” (porque conversas uni-direccionais ainda não foram inventadas, mas lá chegaremos)… Sim. É verdade. Tudo isto é verdade. Mas depois, vem o orçamento, e vem a data de lançamento e a apresentação de resultados. E que se lixe o consumidor, que se lixe a relação.

Se os algoritmos, modelos, inteligências artificiais e “bots” de que também escreve Luís Bettencourt Moniz, após analisarem os posts, os tweets, as fotos e os vídeos, os check-ins e os likes, lhe disserem se o Cliente gosta mais de homens ou de mulheres, se é de vinho ou de cerveja, carros ou motas, mostarda ou maionese enfim, se é bom ou mau, então que venha a tecnologia, o digital e as bases de dados, porque ficou a saber mais sobre o Cliente em 10 minutos frente ao ecrã do que nas 5 últimas visitas que lhe fez.

“Relações humanas é muito bonito mas, quanto vendemos?”

Quem não ouviu já esta expressão? Claro que podemos aqui apontar armas ao Capitalismo desmedido, à busca incessante do lucro… Podemos, mas o Capitalismo, os ismos em geral, foram inventados por humanos.

Um destes dias, num café perto do meu local de trabalho, duas jovens estavam frente a um computador, a navegar em sites de roupa. Uma, nitidamente irritada, dizia à outra, que não gostava daquele site em particular porque “tinha a mania” que sabia tudo sobre ela. “Valia mais que a gente entrasse e ele mostrasse logo as promoções“.

Relembro que há algum tempo escrevi aqui no browserd.com sobre vivermos numa “sociedade do imediato, uma sociedade definida pela rapidez com que se produzem, procuram e encontram conteúdos, sejam eles de que tipo forem“.

Vivemos numa sociedade onde a imediatidade parece ser o mais importante dos factores para estabelecer o valor de um bem ou serviço, e por mais que acreditemos que, por exemplo, a qualidade desse bem ou serviço é um factor de maior valor, a realidade do dia-a-dia mostra-nos constantemente que essa escala de valores ideais é por demais deturpada em função do mercado.

Vende-se a alma. E depois?

O consumidor é, como refere Luís Bettencourt Moniz, complexo. O ser Humano é complexo. Tão complexo que, numa crítica declarada às novas formas de abordagem comercial, que assumidamente passam o factor humano para segundo plano, deixando a cargo das máquinas o “trabalho” de nos conhecer e convencer, o autor escreve sobre “a emergência do H2H (“human to human”)” olvidando a tão humana expressão “cara a cara” ou simplesmente “frente a frente”. E foi aqui que ele me perdeu.

Também eu acredito que o que interessa é estabelecer relações e quem me conhece sabe que há muito que o defendo. Sou uma das pessoas que “querem ser ouvidas e querem conversar”, sou uma das pessoas que “compra com alma”. Mas sou também uma das pessoas que sabe que muita da minha “conversa” e da minha “alma” está exposta em 0’s e 1’s na Internet e que quando um responsável de uma empresa líder em software e tserviços de business analytics escreve um artigo sobre cultivar relações humanas, é uma “alma vendida”. Isso não é mau. É o que é.

 

Quem passou pelas aulas que dei em torno dos Social Media e da Cultura Digital em geral, recorda-se certamente da imagem abaixo e da forma como a apresentei: Apocalipse.

Apocalipse, Caos, versão Pedro Rebelo. E depois morremos.

Relacionado com ela, sempre disse que este Caos em que nos encontramos (necessário para dar à luz uma estrela que dance, já dizia o velho Zarathustra) não é obrigatoriamente mau. Ele existe, é um facto. Saber que este Caos existe, saber o mais que pudermos sobre ele, são mais valias.

Vem isto a propósito da vida que levamos, das famílias, dos trabalhos e em última análise, dos aniversários dos amigos.

Em dias como o de hoje, diacho, em anos como este, recordo amiúde as sábias palavras de David Byrne em Road to Nowhere:

Well we know where we’re going
But we don’t know where we’ve been
And we know what we’re knowing
But we can’t say what we’ve seen
And we’re not little children
And we know what we want
And the future is certain
Give us time to work it out

Disse o autor na altura do lançamento do disco Little Creatures: “Queria escrever uma canção que apresentasse uma versão resignada, até alegre, do nosso destino, da nossa morte, do Apocalipse.”. E é isso mesmo. Estamos cá, vivemos e depois morremos.

É só estúpido não aproveitar o tempo com um sorriso nos lábios, com palavras e gestos de amor para quem amamos, num constante desejo de que, quando partirmos, os que cá fiquem possam seguir esse caminho e fazerem por ser ainda mais felizes. É só estúpido, porque depois, morremos.

“O meu nome é Toby Ziegler e eu sou Director de Comunicação da Casa Branca…”

Era mesmo só isto que eu vos queria dizer. O filme não existe mas o Steve Holmes editou um trailer e foi o suficiente para me levar a escrever “Era mesmo só isto…”.

Se servir de razão para que vejam ou revejam The West Wing (e há muito boa gente que devia ver, de fio a pavio), já me dou por satisfeito.

Imediatidade não é uma palavra bonita. Aliás, imediatidade não é uma palavra comum, uma palavra que se costume ouvir. Talvez por não ser uma palavra bonita, talvez por não ser muito bem entendida. A ver então se nos entendemos: imediatidade é qualidade do que é imediato.

Usamos por vezes a palavra imediatez para referenciar a imediatidade mas mesmo esta palavra também não é bonita e isso talvez seja razão para, tal como a outra, não ser muito usada. Mas agora que está entendida (relembrando, a imediatidade é qualidade do que é imediato) posso passar à sua importância no que a algumas das actuais formas de comunicar concerne, que é verdadeiramente o que aqui me traz.

Sociedade da imediatidade?

Vivemos, diz-se, numa sociedade do imediato, uma sociedade definida pela rapidez com que se produzem, procuram e encontram conteúdos, sejam eles de que tipo forem. Tudo é rápido, para já (porque não pode ser para há pouco), se for para logo mais, não serve.

Como escreveu Douglas Coupland, já não há tolerância para qualquer tipo de espera. Queremos todos os factos e queremo-los agora.

É ao mesmo tempo, e num sentido quase dóxico, uma sociedade do efémero, onde as coisas aparecem e desaparecem num piscar de olhos, onde o escândalo do agora obliterou por completo a noticia do há pouco.

Por outro lado, e quase paradoxalmente, esta sociedade do imediato, de conteúdo efémero e muitas vezes decíduo, é também um bastião da perenidade, garantindo, como tantas vezes ouvimos, que “uma vez na Internet…” nada se esquece, nada se apagará.

Em suma, vivemos numa sociedade onde os próprios conceitos basilares do entendimento comunicacional (como o momento ou a duração) se confundem, distorcem, misturam e encontram valores definidos não de forma canónica, mas sim relativamente às perspectivas dos intervenientes no processo.

Tudo isto é bastante visível quando falamos por exemplo, das presenças nas diversas Redes Sociais online.

A imediatidade e a desintegração da Persistência da Memória por Salvador Dali
A desintegração da Persistência da Memória por Salvador Dali

O valor do tempo nas diversas Redes Sociais online

Não é raro encontrar publicações no Facebook, Twitter ou LinkedIn com títulos como “Qual a melhor hora para publicar no Facebook” ou “Os melhores horários para publicar nas redes sociais” ou qualquer coisa deste tipo.

De imediato me apraz lembrar que a grande maioria destas publicações referem “estudos” ou análises feitas nos Estados Unidos da América. Se entendermos que as diferenças culturais serão suficientes para que haja comportamentos diferentes, este facto deve servir de alerta para não levarmos à letra determinadas “sugestões”.

São muitos os exemplos que poderia citar mas vejamos um simples e que certamente dará uma ideia clara do problema exposto acima: Muitos dos estudos que encontramos na web sobre horários de publicações nas várias redes sociais, indicam que o melhor horário para twittar é entre as 12 e as 15 horas. Quando olhamos para dados específicos sobre Portugal, muito mais difíceis de encontrar, verificamos que a grande utilização do Twitter em Portugal é feita quando em casa e no período nocturno sendo que o período de maior engajamento é entre as 21 horas e a meia-noite.

Assim, é bastante claro que a definição de tempo ideal, para o mesmo acto, varia no espaço (sendo este um apenas dos factores), e de forma muito, muito relevante.

Mas então, o que tem a publicação pelas 21 horas de algo que aconteceu às 13, a ver com a imediatidade?

Nesta nossa sociedade, a tal do imediato, ainda que assim pareça, o mais importante nem sempre é a imediatidade da publicação mas sim a imediatidade do conhecimento. Estar na posse da informação, de todos os dados, tão rápido quanto possível, permitirá fazer melhor gestão da quantidade, duração e momento da publicação.

Claramente, a imensa informação que desejamos, que temos, veio (e uma vez mais recorrendo a Coupland) osmótica ou inadvertidamente, danificar (eu seria mais soft e diria modificar ainda que de forma radical) um sentido de tempo colectivo que há muito servia a humanidade. É importante que nos dediquemos a repensar o tempo e o seu valor.

É só um desabafo.