O paratexto na imagem é, como seria de esperar, um tema polémico, não consensual. Bem, para ser mais preciso, o próprio conceito de texto é por si problemático, ou como refere Mieke Bal, controverso.

Se optarmos por determinadas abordagens semiológicas (estruturalistas?), todo e qualquer objecto de estudo poderá ser enquadrado na categoria de texto. De forma muito abusada, é mais ou menos algo como dizer “Pode ser interpretado? É texto.”.

Até Gerard Genette, que desenvolveu o conceito de paratexto,  refere em Paratext: thresholds of interpretation a existência de paratexto em áreas outras que não a literatura.

Paratexto o que vai e o que fica

De uma forma muito concisa e clara, para que saibamos todos sobre o que estamos a falar, podemos entender o paratexto tal como me lembro de o apresentar a Professora Maria Augusta Babo ou seja, como um conjunto de elementos que encontramos nos limites do texto e que lhe estabelecem as fronteiras. Num livro, por exemplo,  são claros como paratexto, elementos como o título e a assinatura. Entende-se assim o quão essencial é o paratexto para a noção de obra. Se nos lembrarmos de uma música temos também um titulo, num quadro, uma assinatura, num filme, e recordando novamente Genette, temos créditos finais. Tudo isto elementos que, não fazendo parte do texto em si, o complementam, enquadram, contextualizam. Até aqui, tudo entendido.

Dentro do conceito de paratexto, encontramos depois as derivações (enquanto compondo o paratexto) de peritexto e epitexto, sendo que o primeiro será composto por tudo quanto está junto ao texto, na forma em que se apresenta o mesmo (o que está na capa, na contra-capa, um prefácio ou uma dedicatória por exemplo) e o segundo, o que gravita em torno do texto, tendo um próximo relacionamento com o mesmo, seja em forum público ou privado (ainda recorrendo ao exemplo do livro, pensemos numa entrevista dada pelo autor ou numa qualquer confidência que este tenha feito).

Ora, é precisamente no campo entre o peritexto e o epitexto que se me levantam questões sempre que penso na fotografia quando privada da sua materialidade, quando se apresenta somente enquanto imagem e não como objecto fotográfico.

Quando guardo uma fotografia na carteira existe nela um peritexto, pela forma escolhida, pelo papel usado, pela dedicatória no verso. De igual forma, existe um epitexto, que se gera a cada referência à mesma, a cada explicação, comentário, sempre que tiro a fotografia da carteira. Esses mesmos momentos, potênciadores do epitexto, irão por sua ver dar origem a novos elementos peritextuais, com o desgaste da fotografia, a rasura, a dobra no canto e o recordar do momento que a causou.

E onde fica o paratexto no digital?

Que novas histórias se somam à história de uma imagem cada vez que ela é vista num ecrã? Que novos elementos lhe são adicionados? Que limites tem essa imagem, desprovida de materialidade?

Podíamos argumentar com os metadados como a marginália do século XXI, advogando a possibilidade de um paratexto incremental de zeros e uns mas, para além da obrigatória mediação tecnológica, falamos de elementos desprovidos da capacidade de desgaste assim como de se desgastarem (pelo menos de formas que possamos entender como naturais e não com esse objectivo) logo, ainda que os possamos aceitar como elementos paratextuais, deveremos pensar neles como uma categoria especifica, de acesso restrito, na sua leitura assim como na sua escrita, eventualmente inexistentes (ou imperceptíveis, o que neste caso teria o mesmo efeito sobre o receptor), deixando assim a imagem num limbo de contexto.

Assim, e voltando à ideia da Professora Maria Augusta Babo, de que o paratexto é essencial para a noção de obra, estaremos perante uma obra fotográfica quando frente a uma imagem num ecrã ou só devemos utilizar essa definição na presença do objecto fotográfico analógico, pregnante dos seus limites?

Isto preocupa-me. E a vocês? Que vos parece?

 

Sabotagem. Não é coisa de livros de espiões, filmes e séries de tv. A sabotagem é coisa séria, arte praticada desde sempre e, de preferência, quando bem feita, sem que ninguém dê por ela.

Sabotagem. Um tema sério

Hoje, ao passar pelo site do Jason Kottke, vejo que um dos temas do dia é precisamente a sabotagem. Se bem me lembro já há uns tempos se discutiu o assunto entre as Lagostas (vocês sabem quem são) mas foi bom relembrar o Manual de Campo para Sabotagem Simples ou, como lhe chamou o Office of Strategic Services, serviço avôzinho da CIA (Central Intelligence Agency para os mais desatentos), o Simple Sabotage Field Manual.

Prestemos então atenção a alguns dos pontos essenciais do documento, pelo menos, do meu ponto de vista:

Sobre Organizações e Conferências (página 28)

  • Ponto 1) Insista em fazer tudo através de “canais”. Nunca permita o uso de atalhos de forma a acelerar as decisões.
  • Ponto 3) Sempre que possível, encaminhe todos os assuntos para comités, para “um mais aprofundado estudo e consideração”. Tente que esses comités sejam tão grandes quanto possível – nunca menos que cinco pessoas.
  • Ponto 7) Aconselhe sempre “precaução”. Seja sempre “razoável” e aconselhe os seus colegas a serem “razoáveis” e evitem pressas que podem sempre vir a resultar em embaraços ou dificuldades mais tarde.
  • Ponto 8) Mostre preocupação com a “propriedade” de cada decisão tomada. Questione a equipa sobre o facto da acção ou decisão tomada estar ou não contemplada na jurisdição de quem a tomou ou se poderá entrar em conflito com a politicas das hierarquias superiores.

O ficheiro pdf é público, disponibilizado pela própria CIA. Se quiserem também existe em livro. Vale a pena ler. Garanto-vos que são muitas as pérolas que por lá poderão encontrar, pérolas essas que ganham um valor acrescido ao reconhecermos certas práticas indicadas como sendo sabotagem, nas nossas vivências do dia-a-dia.

Não acreditam? Podem chamar-lhe sabotagem mas…

Sobre Encarregados e Supervisores (página 29)

  • Ponto 10) Para baixar a moral, e com isso baixar a produção, seja agradável para com os trabalhadores ineficientes, dê-lhe promoções indevidas. Discrimine os trabalhadores mais eficientes e queixe-se injustamente do seu trabalho.

Diziam?

Há dias assim, em que percebes que tens que abrandar. Mesmo quando não queres. Não queres abrandar nem tão pouco acreditar que precises de o fazer. Mas de repente, percebes.

Tens que abrandar Pedro

No meu caso, já o devia ter percebido. Quando na semana passada não conseguia ler duas páginas ao final do dia sem que me deixasse imediatamente dormir. Quando acordava de manhã sem me lembrar de ter ido para a cama na noite anterior. Quando ainda mal tinha saído de casa e já as dores de cabeça martelavam como se não houvesse amanhã. Sim, já devia ter percebido.

Quando no domingo acordei, mais cansado do que o habitual, fui à rua, comprei pão, voltei para casa e, já depois de tomar o pequeno-almoço, me deixei dormir, ferrado como se não dormisse há 3 dias, devia ter percebido. Se calhar já percebia, mas lá está, não queria acreditar.

E depois, depois asneira. E se há asneiras que pouco incomodam, outras há que não fazendo estragos de maior, incomodam muito. E se só me incomodassem a mim, a coisa ia. O pior é quando incomodam outros. E é nessa altura que tenho mesmo que dizer “tens que abrandar”.

O que mais me custa, acreditem, é falhar naquilo que faço melhor, é estranhamente dar por mim a quebrar regras que eu próprio ajudei a criar durante anos e anos. Diacho, como raio acontece tal coisa?

Mas convenhamos, isso agora não interessa. O que interessa verdadeiramente é que está na hora de abrandar. Se resolve a asneira? Não.

Um problema é algo que pressupõe a possibilidade de uma solução e, como eu costumo referir, o que não tem solução não é um problema; é um facto, concreto, existente nessa forma e deve ser assumido como tal. A única coisa a fazer é tentar garantir que a asneira não se repete. Formas de o fazer? Haverá algumas certamente, e cada um, consoante o seu conhecimento da matéria ou a sua apetência para o caos ou para a paródia, terá a sua sugestão. Eu, infelizmente, mais não poderei fazer do que abrandar. E como bom profissional, que sem modéstia me orgulho de ser, é o que farei.

Perdi o adaptador de corrente do MacBook Pro (sim, que mesmo abrandando, não deixo de ser uma pessoa com bom senso).

Seguidores no Twitter? Falem com o senhor Joaquim, o dono da Mercearia. Lembram-se? A famosa mercearia que há uns anos atrás teve um problema com a Arquitectura de Informação, a politica e as Salsichas

Pois bem, os tempos mudaram e a comunicação na Mercearia teve também que mudar. A Dona Quitéria (que na altura era a responsável pela venda das… Já ninguém se lembra do quê), foi despedida. Ela pensava mais na sua “quinta” do que nos Clientes e uma boa regra para um negócio de sucesso é ter os interesses dos Clientes em destaque.

Como eu dizia, os tempos mudaram e o site da Mercearia já não era suficiente para dar a conhecer e dinamizar os magníficos produtos e serviços que a Mercearia tem. Assim, o senhor Joaquim entendeu por bem abraçar os novos media digitais, como forma de estar mais perto dos seus Clientes, e começou pelo Twitter.

Depois de ver o sucesso que alguma casas no ramo conseguiam alcançar, com milhares de seguidores no Twitter, o senhor Joaquim não teve dúvidas de que esta seria uma boa aposta. Se nos estrangeiro conseguiam, ele  também conseguiria.

Seguidores no Twitter? Não te armarás em parvo

Criou uma conta, com uma boa fotografia de perfil (um belo logo por sinal) e uma cover image de fazer inveja. A Mercearia no seu melhor. Depois resolveu arranjar seguidores no Twitter, que uma conta de Twitter é tão mais interessante quanto as pessoas que a seguem.

Leu por ai o senhor Joaquim, que para arranjar seguidores no Twitter basta “investir uns cobres” mas, de igual forma, leu também que o crescimento orgânico era o melhor. Não percebendo onde raio teria que colocar o adubo, fez umas quantas perguntas e lá lhe explicaram que o crescimento orgânico é o aumento do numero de seguidores no Twitter de forma natural. É composto por aqueles utilizadores que querem seguir a nossa conta porque esta verdadeiramente lhes interessa, seja porque lhes dá boa informação ou porque os diverte.

Seguidores no Twitter? Sem gastar dinheiro?

“E não tenho que gastar dinheiro?” perguntou o senhor Joaquim? “Posso ter seguidores no Twitter sem gastar dinheiro?”. Ora bem, tempo é dinheiro e vista a coisa dessa forma, vai gastar algum. Arranjar bom conteúdo, boas imagens… Isso demora. Mas a conta cresce, os seguidores aumentam. Não é de um dia para o outro, mas vão aumentando.

Assim fez o senhor Joaquim. Começava logo pela manhã a Twittar. E twittava perto do almoço quando todos pensavam em comida, e depois de almoço quando a ninguém apetecia trabalhar. Ele twittava ao fim da tarde e depois de jantar. Fazia likes e seguia novas contas e com isso, lá ganhava, dia após dia, novos seguidores no Twitter da Mercearia.

Esta estratégia não passou despercebida à concorrência. O senhor Manuel, dono da “outra” mercearia do bairro, reparou no aumento gradual de Clientes na loja do senhor Joaquim. Sim, é certo que os seus produtos são mais caros, a sua carne é mais rija, os vegetais mais moles e o peixe até já cheira um bocadinho mal mas diacho, isso não justifica tal corrupio à loja do Joaquim. Em conversa com uma amiga – Quitéria de seu nome – que trabalhava numa agência de comunicação, ficou a saber o que se passava. A Mercearia estava a fazer um sucesso nas redes sociais. Milhares de seguidores no Twitter e até as revistas da moda já falavam dela.

“Ora bem, se é assim, eu também quero comprar um Twitter” disse o senhor Manuel à Quitéria. “Mas ó Manuel, tu já tens um Twitter pá. O teu filho abriu uma conta há uns meses mas nunca lhe ligaste e aquilo está às moscas.”. A Quitéria lá lhe explicou o que o senhor Joaquim andava a fazer, como se fazia, o tempo que levava. “Isso assim não me interessa. Não tenho tempo cá para essas coisas.”. “Não te preocupes Manuel” – disse então a Quitéria –  “há outra forma de resolver o teu problema. Deixa estar que eu trato disso. Passa para cá o teu cartão de crédito“.

Mais e mais seguidores no Twitter

Dois dias depois, o senhor Joaquim vê a conta da Mercearia ganhar 30 novos seguidores no Twitter. 30 num só dia. Que maravilha, e ele que ficava todo contente quando ganhava 10 ou 15… 30 de uma só vez. E malta nova na rede certamente, tantos eram os “ovinhos”. No dia seguinte outros 30. Mais ovos. E 25 no outro dia. E 27 no dia a seguir… “Isto do Twitter deve estar a crescer” – pensa ele ao ver tantas contas novas.

Uma semana mais tarde, está o senhor Joaquim a jantar quando lhe telefona um amigo: “Olha lá pá, então andas a deitar dinheiro à rua?”. O senhor Joaquim estranhou. Mesmo que o Manuel seja conhecido por ser forreta, ele, Joaquim, nunca foi conhecido por ser um esbanjador. “De que raio falas tu?” pergunta o senhor Joaquim ao amigo. “Então? Não se fala de outra coisa pá. Que tu andas a comprar seguidores no Twitter.”.

O senhor Joaquim ficou de rastos. Ele, logo ele, que tinha ficado convencido com o tal do crescimento orgânico, com os seguidores reais, que gostam da sua casa e dos seus produtos, vir agora a ser acusado de andar a comprar seguidores no Twitter. E de repente, a conta da Mercearia parece um aviário de tantos ovos que tem… E os que não são ovos dizem que não gostaram da manobra, dizem que “a Mercearia perdeu a credibilidade”.

Nessa tarde, ao fechar a porta e subir a rua, diz-lhe o senhor Manuel com um sorriso nos lábios: “Ó Jaquim, então? Foram-se embora os Clientes? Tens que ir p’ró Twitter pá, que é lá que os gajos ‘tão todos…”.

O senhor Joaquim, pobre senhor Joaquim, lá seguiu cabisbaixo, sabendo-se honesto, trabalhador, continuando a acreditar que tinha feito um bom trabalho a ganhar seguidores no Twitter, mas triste por não perceber o que tinha acontecido.

Conclusão

Em jeito de nota para a Quitéria: Antes era má vendedora de salsichas e agora não és muito melhor a trabalhar redes sociais. És mais manhosa, trapaceira, vigarista, mas nem por isso melhor. Já todos sabemos o que fizeste. Comprar seguidores no Twitter para a conta da concorrência e depois espalhar o boato de que a concorrência o anda a fazer? Bah… Truque barato e sem classe.

O senhor Joaquim deu uma entrevista ao jornal do bairro e, sem acusar ninguém, disse que talvez tenha sido isso o que se passou… Os vizinhos gostaram do que leram e por via das dúvidas, não fosse ser verdade, deixaram de comprar na mercearia do senhor Manuel.