Archive | Livros RSS feed for this section

Ainda a Viuva Negra…

Depois do post sobre os Vingadores: A Era de Ultron não resisti a ir procurar entre os meus livros de banda desenhada, as várias presenças da Viuva Negra. Scarlett Johansson à parte, a Viuva Negra é, como referi no outro post, um dos meus personagens femininos favoritos em todo o universo Marvel.

Encontrei o #1 do Black Widow Volume 4, lançado em 2010, com argumento de Marjorie Liu e desenho de Daniel Acuna e fiquei com leitura para o final da noite…

Black Widow Vol 4 #1 Pedro Rebelo

Depois resolvi procurar um pouco mais por ela, eventualmente encontrar um bom preço por outros volumes que não comprei na altura. Foi então que descobri no site Bulimia.com uma versão alternativa da Viuva Negra. Em abono da verdade, descobri uma versão alternativa de uma série de heróis…

Como seriam os super-heróis se tivessem corpos normais? Sem as curvas impossíveis dos corpos femininos ou os abdominais à Cristiano Ronaldo super-vitaminado dos personagens masculinos?

Black Widow not a Barbie

Numa abordagem bem humorada aos problemas que a imitação de certos estereótipos podem causar, o Bulimia.com deixa-nos com algumas capas de comics em que os heróis possuem corpos desenhados com proporções mais normais, mais humanas.

Parece-me uma estratégia de valor, uma forma de adereçar ao público certo, um problema sério nos dias que correm.

E vocês? Que vos parece? Quanto à estratégia e quanto aos comics claro.

 

Comments { 0 }

Vingadores: A Era de Ultron

Depois de um primeiro poster promocional de Vingadores: A Era de Ultron, onde a Viuva Negra aparecia meramente como personagem de suporte, eis que a Marvel lança uma série de novos posters de promoção ao filme, destacando cada um dos Vingadores.

Viuva Negra em Vingadores: Era de Ultron - Pedro Rebelo

O poster da personagem interpretada por Scarlett Johansson, Natasha Romanova para os fãs mais aguerridos, tem sido no entanto tema de debate na Internet, uma vez que a Viuva Negra aparece com um novo fato, mais electrizante, de alguma forma recordando os desenhos do personagem na década de 70 do século passado, onde esta tinha braceletes dourados nos pulsos, a partir dos quais lançava os seus “ferrões”.

Este “upgrade” ao visual do personagem em Vingadores: A Era de Ultron, deixa uma vez mais os fãs esperançosos de que esteja para breve algo mais, quem sabe um filme da Viuva Negra, mas tudo aponta para que a próxima grande estreia da Marvel com um personagem feminino à cabeça seja Captain Marvel em Novembro de 2018.

Até lá, para todos que como eu, são fãs da Viuva Negra, resta-nos as participações do personagem neste Vingadores: A Era de UltronAvengers: Infinity War Part 1 a estrear em Maio de 2018.

Quanto aos posters, vejam todos na página da Marvel no Facebook.

Comments { 1 }

Admirável Mundo Novo, ainda os livros

Sim, volto aos livros (aos tais que de uma forma ou outra mudam vidas) e desta feita recordando Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley. Porquê? Porque haverá sempre quem não perceba certas coisas, haverá sempre quem não queira perceber.

Pedro Rebelo Admirável Mundo Novo

Bem, deixo para tais a mais conseguida das bem-aventuranças (Mateus 5:3 na minha humilde opinião) e continuo com o Admirável Mundo Novo. E não, não me vou alongar em dissertações filosóficas sobre a influência que o livro possa exercer sobre quem o lê. Utopias e Distopias são temas que muito me agradam e sobre os quais tenho opinião formada, amplamente discutida noutros fóruns e que certamente também terão lugar aqui no browserd.com mas, como referi, não será neste post.

O Admirável Mundo Novo vem mais a propósito dos tais pobres no espirito, os que não entendem por não quererem entender.

Por alguma estranha razão, o post que escrevi sobre 10 livros que mudaram a minha vida, parece ter dado a alguns a ideia de que certa vida me terá passado ao lado. Não que me preocupe em demasia com a ideia que das minhas palavras possam fazer os mansos ou mesmo os aflitos, mas sinceramente, não sou de ficar calado, e tal como Aldous Huxley, escrevo por vezes a posteriori palavras que clarifiquem ideias anteriores, mesmo tendo a perfeita noção de que para todos além dos visados, aumento a complexidade do raciocínio inicial. Em abono da verdade, para os visados também mas uma vez mais, com isso não me preocupo em demasia.

Assim, sem mais delongas, e seguindo os conselhos que Aldous nos deixou 14 anos após ter escrito Admirável Mundo Novo, fiquem com “Falhas”, na sua versão original, no album 78/82 dos Xutos & Pontapés, que tantas vezes ouvi quando tudo à volta eram gritos e discussões.

Consigo imaginar sorrisos nos lábios de alguns e outras feições noutros tantos. Agradam-me os primeiros e aos segundos, bem, nas palavras de um famoso talvez Maçon (porque outras ideias já por demais aqui foram expostas), si monumentum requiris, circumspice.

Comments { 0 }

10 Livros. Podiam ser outros. Ou talvez não.

O Professor Jorge Rosa lançou-me este desafio no Livro das Trombinhas: Listar 10 livros que tenham mudado a minha vida. Ora bem, eu quase sou capaz de afirmar que todos os livros que li mudaram a minha vida mas, como a vida é feita de escolhas, e estas por vezes são limitadas a um determinado numero de opções, aqui fica uma lista de 10 livros, pela ordem em que entraram na minha vida.

Livros Pedro Rebelo

10 livros que mudaram a minha vida

  • Watchmen de Alan Moore e Dave Gibbons. Aos 13 anos, entre mil heróis desenhados em papel, surge um (ainda hoje a dúvida: Herói? Anti-Herói? Vilão?) que me diz: “My name is Ozymandias, king of kings: Look on my works, ye Mighty, and despair!“. Eu estava conquistado. Quem não estaria?
  • As Minhas Aventuras Na República Portuguesa de Miguel Esteves Cardoso. Na noite em que fiz 15 anos, em 1988, recebi de uma amiga da minha mãe uma prenda sui generis. Uma folha a4, fotocopiada. No titulo podia ler-se “A Aventura dos 15 Anos”. Nessa noite percebi que gostava de ler assim e, mais importante ainda, que queria um dia escrever assim. Dois anos mais tarde comprava o livro. Até hoje, comprei-os todos.
  • Para Além de Bem e Mal de Friedrich Nietzsche, que me trouxe alivio e companhia, afastando ao mesmo tempo uma estranheza imensa, feita revolta, diziam eles, sem sentido.
  • Requiem: uma alucinação de António Tabucchi. Num período complicado (quando não há períodos complicados naquela idade, parece que não se está verdadeiramente a viver a vida) uma amiga ofereceu-me este livro. Juntei-me de novo a Lisboa, voltei a ver o rio que me separava dela não como um obstáculo mas como um caminho a fazer para chegar ao outro lado. Chegado a esta margem passei a sentir cada rua, cada viela, cada tasca como minha, como parte de quem queria ser. Ainda cá vivo. Ainda o leio. Obrigado Karina.
  • The Hacker Crackdown de Bruce Sterling, porque tinha acabado de me ligar à Internet em casa quando me caiu nas mãos e me ajudou a abrir os olhos para ver melhor o futuro que ai vinha, mesmo relatando o recente passado.
  • O Estranho Caso do Dr. Jekyll e de Mr. Hyde, por ainda hoje me lembrar que, impotentes perante ela ou únicos senhores capazes de dominar a besta, cabe a nós a decisão.
  • Wilt de Tom Sharpe, porque com ele ri frente a um livro como nunca tinha rido antes e com ele conheci um dos meus autores favoritos.
  • A Pele do Tambor de Arturo Perez-Reverte. Vaticano, computadores, assassinos… A Susana ofereceu-me este livro sabendo que eu iria adorar. Adorei. Porque muito além do thriller de aeroporto, Perez-Reverte (de quem leio quase tudo desde então) mostra nos seus personagens e histórias, um pessimismo que me é familiar e um reconhecimento de que, ainda que assim seja, a vida é para ser vivida.
  • As Flores do Mal de Baudelaire, que me levaram às visões de uma decadência real, que existiu (existirá ainda?) e que o autor (tal como eu também decidi fazer um dia) resolveu aceitar. É uma inevitabilidade. Que seja então. Mas com a consciência de tal, que a aproveitemos da melhor forma.
  • Ficções de Jorge Luis Borges, porque me fez viajar por mundos possíveis como nunca antes as letras tinham conseguido. Porque li cada página como quem estuda um movimento de Xadrez, pensando em tudo quanto virá depois, convencido de que tudo está já escrito (Umberto, diz lá a verdade, era Borges o teu leitor visado não era?).

E vocês? Que livros vos mudaram a vida? Que livros lembram ainda hoje?

Comments { 3 }

Leituras ao fim da tarde: Edgar Allan Poe

image

Mais precisamente, “Histórias Extraordinárias”…

Contos publicados entre 1833 e 1845, classicos da literatura policial e de terror.

Com o seu estilo macabro e espelhando uma negritude pessimista que lhe marcava a alma, Poe dá a conhecer nestes contos, uma vez mais, a sua genialidade.

Comments { 1 }