Archive | Geek RSS feed for this section

Nighthawks, ainda a dar que falar.

Nighthawks, de Edward Hopper, é uma das obras de arte que incluo na lista das minhas favoritas. É certamente uma das pinturas que mais gosto e garantidamente uma das que mais me inspira (e depois temos Ophelia mas essa é outra história).

Nighthawks Edward Hopper  - Descaradamente sacada da Wikipedia

Muitas vezes pensei em ter uma reprodução de Nighthawks em casa mas, uma reprodução não é um original (desculpem o óbvio da declaração mas enfatiza o sentimento) e o original, bem, o original está no Art Institute of Chicago desde 1942 e não me parece que possa estar na minha sala tão cedo.

Nighthawks é mais que uma pintura.

Ouvir Nighthawks at the Diner podia de alguma forma, servir como compensação mas, ainda que expressando a ideia da obra original (a presumida, que não tenho conhecimento do Tom Waits ter alguma vez debatido o tema com Hopper), não estaria presente a técnica que, em conjunto com o sentido que a obra tem (e que claramente ajuda a construir), a torna tão especial.

Assim, não desistindo da ideia de ver uma referência a Nighthawks numa parede lá de casa, o tema tem passado regularmente para segundo plano, para a lista daquelas coisas de que nos lembramos de quando em vez.

E eis que uma dessas vezes aconteceu hoje, ao conhecer os trabalhos de David Hamilton.

David, não sendo um grande fã de pintura, assume-se como um grande fã de Star Wars desde o inicio da saga e, com a honestidade possível de quem não quer ofender os olhares mais puritanos e sensíveis no mundo da arte, propôs-se a juntar os dois universos em “edições especiais” de algumas das mais conhecidas pinturas de todos os tempos, entre elas, Nighthawks, de Edward Hopper.

Nighthawks by David Hamilton

No caso em particular da abordagem a Nighthawks, David Hamilton deixa uma observação:

Nighthawks fez-me imediatamente pensar na Mos Eisley Cantina; Eu podia ouvir o empregado de balcão a dizer “Nós não servimos esses tipos aqui.”

De referir ainda que, o trabalho de David Hamilton, no caso de Nighthawks, não é sobre uma replica da obra de Hopper mas sim sobre uma fotografia de uma outra representação de Nighthawks . Segundo o autor, a obra original já terá sido parodiada tantas vezes que ele preferiu apresentar a Cantina com uma nova perspectiva.

Vejam mais dos seus trabalhos no artigo do Bored Panda. Eu era capaz de ter um destes na sala (se a Susana deixasse, claro). E vocês?

Comments { 0 }

Uma questão de respeito

Parem as máquinas (bem, licenciei-me em Ciências da Comunicação, um dia teria que dizer tal coisa)! O Pedro Couto e Santos disse no Facebook que gostava muito (com direito a coração e tudo) do browserd.com.

De forma a eternizar tal feito (porque o Facebook não eterniza pôrra nenhuma a não ser coisas que não interessam como as malas da Pêpa e outras que tais) deixo aqui a imagem que comprova o momento em que um dos bloggers que há mais tempo consta da minha lista de bloggers favoritos, resolve homenagear o browserd.com de uma forma tão… Amorosa.

Um daqueles momentos - Pedro RebeloNuma nota de rodapé, se ele descobre que eu falo dele e do Macacos nas minhas formações de blogging, tenho que o ouvir para o resto da vida… Joana, schiuuu. Caladinha.

Comments { 2 }

UPLOAD Lisboa 2014

Muito haverá para dizer sobre o UPLOAD Lisboa. Mais ainda se juntarmos aos UPLOAD Lisboa do passado o UPLOAD Lisboa 2014. Eu e o Bruno Amaral estivemos no primeiro UPLOAD Lisboa e lembramo-nos bem daquilo que nos fez gostar da ideia.

Este ano voltamos e, apesar de ainda não ter começado, temos a certeza de que haverá motivos para continuar a gostar.

Upload Lisboa 2014

Fica no entanto uma pergunta no ar: Será que se vai falar de #blogs nesta edição do UPLOAD Lisboa?

Não sabendo já a resposta, fica a certeza de que nos #blogs se vai falar do UPLOAD Lisboa. Pelo menos aqui onde o Bruno apresenta os streams do Instagram e do Twitter com a hashtag do evento: #uplx2014.

Comments { 0 }

Ofensas nas Redes Sociais

Porque é um tema recorrente e que muito preocupa todos quantos pensam numa presença digital, não posso deixar de aqui focar o tema das ofensas nas redes sociais.

Perguntando ao Google, encontrarão certamente milhares de páginas entre artigos, blog posts, white papers e outros mais, onde o tema das ofensas nas redes sociais é o assunto principal. Numa realidade do instante, onde tudo é tão rápido, por vezes há quem pense que as ofensas nas redes sociais podem passar impunes.

“Ninguém viu”, “Já esqueceram” ou “Não tem likes” são expressões que surgem por vezes perante uma publicação menos própria, não reflectida, ofensiva. Normalmente seguidas de “Dá para apagar?”. Não dá. E esse é efectivamente um dos pontos de valor deste meu post:

Não se apagam as ofensas nas redes sociais.

Apaga-se o tweet, apaga-se o blog post, a publicação no Facebook ou a fotografia do Instagram mas, acreditem, não se apagam as ofensas nas redes sociais. Haverá sempre quem lembre, haverá sempre quem tenha feito o print screen. Quem tenha partilhado, quem tenha feito o retweet.

O outro ponto de valor deste post é dar-vos a conhecer o fantástico Dites-le avec des fleurs. Porque ditas com flores, até as ofensas nas redes sociais se levam de forma diferente.

Não sei se a vossa mãe concordaria (caso conheça a rede social em questão) mas vejam, que quadro lindo não daria esta imagem, para colocar na sala, mesmo ao lado do Menino da Lágrima?

Ofensa nas Redes Sociais Pedro Rebelo

p.s. Eu vi a tua mãe no Tinder. Para bom entendedor, meia palavra basta.

Comments { 0 }

Sou um Cliente MEO e trago comigo um livro…

Esta manhã, em conversa online com um costumeiro grupo de bons amigos, intervenho sem qualquer razão aparente com um estrondoso “Spooooooooooooorting!“. Assim, com ponto de exclamação e tudo.

Pedro Rebelo MEO

 

Mesmo contando com a referência que fiz nesse mesmo grupo a noite passada, a futebol e ao Sporting, não consegui evitar a estranheza dos participantes na conversa. É certo que não seria essa a minha intenção mas, para efeitos narrativos a frase fica bem aqui.

Resposta imediata de um deles: “Quem és tu e o que fizeste com o Rebelo?

É uma interjeição comum entre nós, perante uma atitude atípica de alguém que o grupo conhece bem, e que de alguma forma funciona como um pedido de explicação ou chamada à realidade. A minha resposta não se fez tardar e como de costume, deixava portas abertas para mais uma animada conversa:

Sou um Cliente MEO e vim do espaço para vos conhecer melhor. Trago comigo um livro e dou um prémio a quem adivinhar o título.

Juntem os pontinhos e digam de vossa justiça. Tudo isto tem um sentido e mais uma vez se comprova que há operadores de TV por cabo e operadores de TV por cabo, há livros e livros, há séries e séries, há amigos e amigos. E eu, digo-vos para além de qualquer dúvida, orgulho-me dos meus.

Basilio e Jorge Rosa, sabendo que para vós é claro, por favor, deixem que pensem.

Comments { 0 }