Um destes dias, respondi a um questionário que me foi enviado pela equipa do The Impossible Project e uma das questões era sobre o numero de packs de filme Impossible que tinha usado no ultimo ano.

Não sei, não faço ideia. Com um pouco de esforço até era capaz de descobrir, mais ou menos… Tenho uma noção de que fotografias tirei e quando mas, nada de muito certo. Dei uma olhada pelos cantos da sala e encontrei uns quantos packs vazios…

Polaroids que tenho comprado na Capitão Lisboa - Pedro Rebelo

Há hábitos que ainda não ganhei e que poderiam ajudar a ter essa informação, como escrever em todas as fotografias a data ou manter de uma qualquer forma um registo do que vou fotografando com as minhas Polaroid. Pois… Ainda não ganhei tais hábitos e confesso, não sei se vou ganhar.

É aqui que se levantam algumas vozes dizendo: “Vês? Se fotografasses em digital sabias isso tudo, não tinhas que te preocupar com esses detalhes…” mas convenhamos, também não estou preocupado certo?

Efectivamente, a maior parte das vezes, quando tiro uma fotografia com uma das minhas Polaroids, só estou a pensar na fotografia em si, no que irá sair dali (que nunca sei bem o que pensar), e no momento em que a vou estar a mostrar a alguém… Entretanto penso também em como a vou guardar e, acreditem ou não, penso em como estará daqui a uns tempos, uns meses, uns anos, quando um dia a encontrar, no meio de um qualquer livro ou caída atrás de um móvel (sim, que nem sempre me lembro de as colocar dentro das caixas). Ultimamente, dou comigo também a pensar se a vou digitalizar, se a vou incluir no Impossible Polaroids

Bem, mas isso agora não interessa para nada. Falava-vos do questionário da The Impossible Project. Perguntavam-me se tinha usado 10 ou mais packs no ultimo ano… Sim, considerando a fotografia ali em cima, posso dizer que sim. E a Capitão Lisboa também. Nesta loja, não só podem comprar filme para as vossas Polaroid, como também lá poderão encontrar as próprias máquinas e outros acessórios da The Impossible Project. E para além disso, podem ainda contar com toda a simpatia da equipa.

E não, não é publicidade encapotada. É mesmo porque gosto da casa.

4 thoughts on “Polaroids. Impossíveis.

  1. Curiosamente, para mim, há uma forma muito simples de perceber quantos packs de filme IP gastei: eu gosto de guardar o “dark slide” inicial, que serve de protecção ao filme que se encontra por baixo, e que é ejectado quando carregas a máquina com o pack. Dado que os arquivo como se de fotos se tratassem, fico com um histórico simples que quando packs vou “despachando”…

    Acho particular piada a que a IP tenha abraçado o lado de coleccionismo destes slides, porque os há em categorias especificas e estão numerados numa lógica de “número X de um total de Y” :-)

  2. Olá Sergio.
    Sim, essa seria uma boa forma mas eu, infelizmente, fui dando outros usos a esses slides, nomeadamente a usar os mesmos como protecção contra a luz, por vezes colando-os com fita cola às maquinas… Sim, sim, eu sei, já devia ter investido numa frog tongue, enfim…

    A ideia do coleccionismo foi de alguma forma impulsionadora dos packs… :) E quando nos mostras as tuas?

  3. Contrário ao meu arquivo de 35mm (que guardo com bastante cuidado) sobram muito poucas Polaroids em minha posse, Pedro.

    Sabes que eu também vivo activamente a componente do físico que acompanha a fotografia instantânea (e sobre a qual já falaste muito). Mas o resultado disso é que Polaroid, para mim, é sinónimo de algo que se vive socialmente. Eu acabo por oferecer a larga maioria de todas as fotografias que tiro, ali no momento, sem grande hipótese de as digitalizar primeiro.

    Aliado ao facto de que as Polaroids decaiem muito rapidamente (mesmo quando bem arquivadas), o lado extremamente efémero da coisa é algo que aceito e – confesso – que me agrada.

  4. Eu sei, eu sei… Eu também já ofereci algumas… De quando em vez, por piada, ainda me lembro de as fotografar com o telemóvel… E pronto, nunca mais vejo o raio da fotografia…

    Sabes que quanto à efemeridade da Polaroid (bem, das Impossible Polaroids pelo menos) já estiveram piores… Tenho algumas, das primeiras que usei, que ficaram quase brancas, outras manchadas, ao fim de alguns meses… Mas as mais recentes, de há um ou dois anos para cá, estão fantásticas, pouco se nota qualquer tipo de deterioração ou mesmo alteração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*