Fiquem lá com os vossos dias solarengos, as esplanadas de Verão, as camisas de manga curta e os calções a la Daisy Duke… Eu fico com o meu nevoeiro, com as ruas quase sem gente e com o frio que gela os ossos. Fico com aquilo que me espera, abraço-o já para me ir habituando… O estranho renova-nos a cada encontro mas o conforto do que nos é conhecido, dá alento a mais um dia, um ano, uma eternidade.

Esta é a minha Lisboa. Ide vós em busca do Sol que eu fico por cá. Por enquanto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*