Deixar de fumar voltou a ser assunto. Da campanha protagonizada pelo Diogo Infante às várias opiniões que se vão espalhando pela Internet, deixar de fumar é novamente um tema de grande valor. No dia de Natal de 2005 eu escrevi por aqui: Como deixar de fumar? Simples. Metendo o maço ao bolso e dizendo: Agora não fumo mais. Nesse dia fazia um ano que tinha decidido deixar de fumar.

Muitas vezes disse (para mim e a outros) que deixava de fumar quando quisesse. Não havia quem acreditasse. A fumar desde os 12 anos e ao ritmo de 40 cigarros por dia (estamos a falar de um dia normal, sem grande stress, sem noitadas…), parecia quase impossível. Principalmente porque eu sempre fui daqueles fumadores que gostam do fumo. A dia começava com um cigarro (ou seis quando saia de casa) e terminava com um cigarro. Um café implicava, no mínimo, dois cigarros. As noites de Verão tinham um gosto especial quando ficava no pátio a olhar para o céu e de cigarro na mão. As noites de Inverno também mas o cigarro fazia companhia frente ao monitor (de cantos já amarelados) e enchia o teclado de cinza… Mas eu mantinha a minha. Deixava de fumar quando quisesse.

Deixar de fumar. De vez!

No dia em que a Patrícia gozava o seu primeiro Natal sai de casa para beber um café. Já levava dois ou três cigarros fumados. Mais um a caminho do café, um ou dois a acompanhar e outro cigarro para o regresso. Já a chegar à porta de casa pensei que seria uma boa prenda de Natal para todos lá em casa se deixasse de fumar. Apaguei o cigarro com o pé antes de entrar e não disse mais nada. Não tinha medo de recaída nem nada do género. Achei que os meus cigarros eram uma coisa minha (note-se que não escrevo “um problema meu”) e teria que ser eu a enfrentar o que estava por vir. Três dias se passaram e ninguém notou que eu já não fumava… Ninguém. E eu tinha a casa cheia de gente.

Nesse final de ano estive de férias mas fiquei sozinho pois a Susana estava a trabalhar. Óptima oportunidade para mais uma prova de fogo. O almoço no restaurante. Nunca gostei de almoçar sozinho. Ainda hoje prefiro não almoçar a não ter companhia para almoço. Pois naqueles dias lá fui, de maço de tabaco no bolso, sentar-me à mesa do restaurante. Do frango assado ao cozido à portuguesa, sempre com direito a sobremesa. Não fumei nenhum cigarro. Estava cada vez mais confiante. Deixar de fumar. Tal como eu dizia, bastava querer.

Os dias foram passando, voltei ao trabalho e com a novidade para todos: “Deixei de fumar pessoal!”. Ninguém acreditou. O fumo andava sempre ali à volta. Eu brincava quando alguém perguntava se podia fumar: “Sim, sim. Por favor. Acende o cigarro e não fica aqui perto…”. Não fumei nenhum cigarro. Com o passar do tempo as provas sucederam-se. As noitadas com amigos em casa, as idas a bares e discotecas, as chatices do dia-a-dia… Não fumei nenhum cigarro.

É raro o dia em que não ouço alguém a dizer que quer deixar de fumar e não consegue. Se calhar não quer é a conclusão a que chego. Vejo pessoas que passam de um maço de tabaco por dia para três ou quatro cigarros. “Ah e tal, mas depois fomos sair e acabei a fumar um maço nessa noite.” Pois. “Eu no trabalho não posso fumar mas quando chega à noite vingo-me.”. Alguém me explique. Se mais de metade do tempo que estão acordados conseguem estar sem fumar…

Hoje onde trabalho, tenho vários colegas que fumam (quase todos). Não fumo nenhum cigarro. O segredo para deixar de fumar? Querer. A sério. Não consigo imaginar outro. Ainda hoje tenho os dois maços de tabaco que tinha no dia em que deixei de fumar. Um em casa e outro no trabalho. A ideia na altura foi garantir que, se quisesse fumar fumava. Se não fumasse então era porque não queria e nunca por falta de tabaco. A pior coisa que eu podia imaginar era querer fumar um cigarro e não ter.

Voltar a fumar?

Não digo que não voltarei a fumar. Ao fim e ao cabo “sempre fui daqueles fumadores que gostam do fumo”. Mas se voltar a fumar um dia sei que o farei por que quero. E depois, só tenho que deixar de fumar outra vez. Mas era uma verdadeira estupidez não era?

65 thoughts on “Deixar de fumar. Na boa.

  1. Boas.
    Deixei de fumar no dia 28 de Julho. Custou-me imenso o primeiro dia. A sério. O segredo é o Champix. Se querem muito deixar, e, como eu, não conseguem com os métodos vulgares (pensos, pastilhas, etc.), comprem Champix e esqueçam. O medicamento é fabuloso, a sério. Comecei a tomá-lo no dia 16 de Julho, porque um grande amigo tinha deixado dois dias antes com a ajuda dos pensos. como eu já tinha tentado com o mesmo metodo e nao tinha conseguido, tentei o Champix. Fiz a toma aconselhada, que é iniciada com 1 pastilha de 0,5mg da substancia activa 1 x por dia. A partir do dia 4 passa a 2 x 0,5mg, e do 8º dia em diante 1mg 2 x ao dia. Amigos, a partir daqui é uma diminuição brutal, quase sem darmos por isso. Passei a fumar 3 ou 4 cigarritos por dia. Não tive efeitos secundários exceptuando os sonhos, que passam a ser dignos de guião de cinema.
    Hoje, 4 meses depois, sinto-me como nunca. Aproveito o sítio onde moro (praia) e corro todos os dias, coisa impensável há uns meses atrás. Não engordei, pelo contrário, já emagreci uns quilitos, e sinto-me um novo homem em todos os aspectos. Não digo que não me lembro do cigarro de vez em quando, mas penso logo nas diferenças, para melhor, e facilmente ultrapasso o desejo.
    Força a todos! Como diz o outro: Yes, we can!

  2. Olá bons dias.
    Queria deixar tb o meu testemunho e ficarei muito feliz se com ele conseguir ajudar alguém a deixar de fumar. Tenho 31 anos e fumava desde os 15 até á uns meses atrás. Tentei diversas vezes deixar de fumar e o vicio sempre me venceu. Um amigo que começou a fumar comigo desde os nossos tempos de adolescentes parou de fumar, diz ele sem qualquer dificuldade, simplesmente apanhou uma daquelas gripes horriveis. Há uns 3 meses atrás fui vitima de um desses virus que apareceu lá por casa e contaminou toda a gente. Bastante engripado e com tosse forte não conseguia nem acender o cigarro e só o cheiro de acender provocava me mais tosse ainda. Fui então que resolvi aproveitar a gripe e tentar deixar de fumar. Ao segundo dia tentei acender um e lá veio a tosse até que dessisti. Passou se quatro dias e eu já me sentia melhor e comecei a notar que a minha vontade de fumar já não era a mesma. Sem grande esforço não voltei a fumar até um almoço de um aniversário de um amigo. Fumei dois cigarros (que saudades), aquela satisfação que só os fumadores sabem, um pouco a medo, mas para mim aquele gesto significou o mesmo como se tive se pedido um digestivo. Hoje tenho uma vida muito melhor, porque não preciso de tabaco para nada. Por isso pessoal, se tiverem uma daquelas gripes fortes, experimentem deixar de fumar e depois postem aqui os resultados. Cumprimentos.

  3. Olá depois de 25 anos de fumo,deixei de fumar dia 1 de dezembro.Aumentei um pouco de peso,é um facto mas não me parece que vá abanar neste caminhar por causa disso.Depois de conversar com algumas pessoas e médicos ,reolvi não usar qualquer«ajuda» a não ser a força de vontade…hoje é a passagem de ano mais um teste…vou divertir-me mas sempre atento..agradeço a oportunidade de deixar o meu testemunho pois ajuda imenso poder falar do que sentimos durante este luta…e se puder ajudar os outros…melhor ainda!

  4. muito obrigada por ter essa iniciativa de coragem sempre!que esse dia seja sempre especial …pq meu amigo precisa desses comentários cada dia …ele não consegue parar de fumar.

  5. Queria parabenizar todos aqueles que conseguiram e outros que se esforçam por deixar de fumar. Volvidos 12 meses após a minha experiência de ter deixado de fumar, faço um balanço positivo. Desde Julho que regulei o sono, sinto-me muito melhor fisicamente, já me passaram as fomes excessivas e a minha qualidade de vida melhorou…como todos os adictos, lembro-me muitas vezes dos cigarros e ainda gosto do seu cheiro…Lamento por me ter deixado engordar 28 kg, foi muito complicado para mim porque fui 44 anos magra, mas já superei a situação e o que interessa é que me sinto bem, estável e com mais qualidade de vida. Claro que o Champix foi uma ajuda preciosa porque me impediu de sofrer os sintomas físicos da privação de nicotina mas relativamente à parte psicológica, só mesmo o meu esforço e vontade é que me fizeram ter sucesso. Boa sorte a todos e lutem sempre porque vale a pena! Um abraço a todos.

  6. eu sei tb o k e deixar de fumar,fumo á 15anos deixei de fumar de 2005 a 2007 tava tao bem voltei a pegar,agora ta-me a fazer imenso mal e nao consigo falar cm ninguem… tenho vindo a tentar neste ultimo mes reduzir e deixar mas nao tou a conseguir a 100%…se nao conseguir ja fui… numca esperei k me acontece-se coisas k me acontecem derivado ao tabaco… ou deixo agora ou…

  7. Paulo,
    Não tenho por habito escrever neste sitios, nem sei se te vou conseguir ajudar… Eu também fumei durante 20 anos e comecei recentemente a ter problemas cardiacos por causa disso … mas calma … a vida é muito cool, muito boa para viver … abandonei o tabaco há exactamente 4 dias apenas … sem pensar em mais nada … sem ajudas de medicamentos ou qualquer outra coisa.. o importante (parece-me) é pensar apenas no hoje e não no amanhã, estilo “hoje não fumo, hoje não fumo, hoje não fumo” e o dia vai passando e quando dás por ti, já passou … Força aí pá!!

  8. Fumava há 10 anos 1 carteira por dia. Sou asmatico, sofro de sinusite e rinite alergica..felizmente fui operado a uma cirurgia q me fez ficar 5 dias sem fumar pois no hospital nao se pode. quando recebi alta, na porta do hospital, tirei da bolsa um cigarro e meti na boca, pus-me a olhar para ele..e recusei-lhe dar lume..se tinha aguentado 5 dias, porque não deixar de fumar?. Nada melhor momento q aquele.. nao me passava querer deixar de fumar, apenas sabia q mais dia menos dia teria q deixar, estava apenas a tentar encontrar o dia. Concordo com o autor do texto, nao tomei nada, nao usei nenhum metodo, está no psicologico e no querer deixar de fumar. faz hoje 2 meses, nao engordei..mantive o peso, nao sonho com tabaco..e consigo estar ao lado de pessoas que fumam sem me dar tentação.
    P.S- irei voltar a fumar concerteza quando inventarem tabaco q nao faça mal :).

  9. Comecei a 1 de dezembro de 2008.já lá vão 7 meses…200 e tal dias…ainda me apetece às vezes…atento sempre mas cada vez mais descontraído…engordei um pouco e quando fizer 1 ano sem fumar vou também resolver esse problema…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*