Há uns tempos, num daqueles raros dias que chego a casa a horas decentes, aproveitei ser o primeiro a chegar e fui fazer o jantar. Até chegar à cozinha, passei pela sala e pus um disco de vinil a tocar. Música é sempre boa companhia. Era o Forever Changes, dos Love… Ironicamente, já perceberão porquê.

Boa música. Disco de Vinil, Forever Changes, dos Love

Passado um pouco, toca a campainha. Confirmando que se tratava da Susana e da Patrícia, abri a porta do prédio, deixei a porta de casa encostada e voltei para a cozinha (sim, que comida ao lume é coisa séria demais para se deixar sem companhia).

Ao entrarem em casa, a Patrícia foi ter comigo e a primeira coisa que me disse foi “Pai, a música está um bocado alta não?“, ao que lhe respondi que era era normal, uma vez que estava na cozinha e queria ouvir música mas, além disso, estava sozinho em casa, podia ter a música mais alta, sem incomodar ninguém. Pensava que a razão fosse clara e que a coisa ficava por ali. Não ficou. Quase de imediato a Patrícia pergunta “Então mas não tinhas comprado uns headphones no Natal para isso?”.

E naquele momento, deparei-me com a tal realidade dos mundos paralelos, que uma vezes se entrelaçam formando a trança perfeita e outras simplesmente colidem, com mais ou menos força, de forma mais ou menos brutal. E pode não parecer, mas foi brutal. Principalmente porque foi por causa da Patrícia que voltei a ouvir música em casa, que voltei a ouvir discos em vinil, no dia em que lhe quis mostrar o valor da música. Enfim, foi um choque. Aquele momento de “ouve lá a tua música, no teu canto, sem incomodar” foi o que mais incomodou.

Afinal, entendemos a música de forma diferente.

Não há nada de estranho no diferente entendimento da música, não é estranho que os gostos musicais sejam diferentes e que a forma como se ouve a música seja diferente. Eu próprio gosto de ouvir música de forma diferente em conformidade com o mood com que me encontro. O choque foi causado pela percepção dos caminhos diferentes. Eles crescem.

E foi com essa ideia de caminhos diferentes que resolvi abrir um novo caminho para mim, aqui, na Internet. Abrir e não seguir pois continuarei por aqui, no browserd.com, a escrever os meus desabafos costumeiros sobre o que me vai na alma (essa desgraçada), mais a reclamar do que outra coisa. No entanto, ali ao lado, no Sapo Blogs, abri o Gira Discos, um blog onde pretendo partilhar com quem tiver interesse em tais coisas, os discos em vinil que vou adquirindo, a sua história e, eventualmente, a minha história com eles.

Não sei se o Gira Discos vai durar, que regularidade vai ter, nem tão pouco a forma do dito está já bem definida mas, por enquanto, está lá, vai crescendo, com gosto, no seu próprio caminho, diferente.

Passem por lá, vejam se gostam, comentem, sugiram, subscrevam… e depois voltem.

Hoje tive um longa conversa com um amigo sobre um tema que nem a todos os homens interessa: Sapatos. Sapatos de homem para ser mais exacto. De outros saltos, quer dizer, de outros sapatos, de salto alto, também já aqui falei mas desta feita, é sobre sapatos de homem que se fala.

Tudo começou pela partilha, num grupo privado de amigos, de um desabafo meu: “comprei um par de sapatos”. Isto num tom de quem diz, já me desgracei, mais valia não ter saído de casa (ainda assim, menos mal, pois tive em tempos outras aventuras em busca de sapatos que não correram tão bem).

Depois de esclarecido o tema, e num registo one-to-one, pergunta-me esse amigo, afinal que sapatos tinha eu comprado, e a partir dai, em amena cavaqueira, se desenrolou uma conversa que me fez lembrar que, no que a sapatos de homem concerne, mesmo entre homens que os usam diariamente, há um certo desconhecimento de forma e conceito. Se bem que para alguns isso seja algo completamente irrelevante, pude verificar que para outros, o tópico tem interesse, não só como uma curiosidade mas também com valor prático. Mas vejamos em detalhe aquilo de que vos falo.

Sapatos de homem: Oxfords, not Brogues.

Sapatos de Homem, Berwick 1707, pretos e castanhos

“Oxfords, not Brogues” é uma expressão popularizada por Colin Firth no filme Kingsman, como password de identificação, explicada por ele mais tarde quando ao “equipar” o seu pupilo, na escolha dos sapatos a calçar, este relembra a frase “Oxfords, not Brogues” e Colin Firth lhe responde “Words to live by Egssy, words to live by“. E porquê? Porque o sapato Oxford é considerado o mais formal dos sapatos de homem e expoente máximo da elegância no calçado masculino e os Kingsman do filme, primavam pela elegância.

Mas afinal do que falamos quando nos referimos a Oxfords? É simples: sapatos lisos, de atacadores e onde estes entram em furos feitos directamente no couro do corpo do sapato. Esta distinção é necessária precisamente para os diferenciar dos Derbys, sapatos lisos de atacadores mas onde estes entram em furos feitos em abas cozidas ao corpo do sapato.

Sapatos de Homem, Berwick, Oxfords e Derbys

A diferença nestes dois formatos estabelece a relação dos mesmos com a formalidade do seu uso. Os Oxfords, com menos elementos e com a zona de aperto perfeitamente unida, tornam-se mais sóbrios do que os Derbys que, devido às abas permitem uma abertura maior ao meio do sapato. Entre os Oxfords há ainda a referir os Wholecut, sapatos Oxfords elaborados a partir de uma única peça de couro.

Brogues são todos os sapatos com aplicação de couro trabalhado, normalmente rendilhado em pequenos furos.

Na realidade, há quem defenda que não se deveria fazer distinção entre Oxfords e Brogues mas sim entre Oxfords e Derbys uma vez que, quer Oxfords quer Derbys podem assumir a forma de Brogues quando sujeitos à aplicação dos respectivos enfeites. Pessoalmente, e como não sou fã de Brogues, prefiro manter a distinção entre os três géneros, Oxfords, Derbys e Brogues, entrando nesta última categoria todos os modelos com couro trabalhado com furos.

Mas esses Brogues, estão na moda…

Sim, é verdade, os Brogues estão na moda, já há alguns anos. Assim como já estiveram na década de 80 do século passado e como certamente voltarão a estar. No entanto, a grande questão é que os Oxfords e os Derbys, nunca saíram de moda podendo nós assumir que são estes os modelos intemporais no que a sapatos de homem concerne.

Seja com um fato, um smoking, um blazer ou simplesmente com uma camisa, Oxfords e Derbys raramente destoam. Com um smoking ficará melhor um Oxford do que um Derby mas, aparte esse preciosismo estilístico, qualquer outra combinação funciona.

É natural que se vejam nas lojas mais Brogues uma vez que, como disse atrás, o Brogue pode ser aplicado em Oxfords e em Derbys. Além disso, há múltiplas variedades de Brogues: Full Brogue (quando o trabalhado cobre o sapato por inteiro), Half Brogue (quando só a biqueira do sapato é trabalhada), Cap Toe Half Brogue (quando só a biqueira é trabalhada e se apresenta separada do restante corpo do sapato por uma linha divisória), Quarter Brogue (quando só a linha que separa a biqueira do sapato é trabalhada)…

É claro que há outros modelos de sapatos. Em Portugal por exemplo, um dos mais usados é o Loafer (Sebago e Yucca dizem-vos algo?), grande parte das vezes chamado em erro de Mocassin (que por seu turno é um outro modelo diferente popularizado inicialmente do outro lado do grande lago), os Monk Strap, os Dock Side (em Portugal chamados Sapatos de Vela) enfim, muito por onde escolher mas isso era um artigo que nunca mais acabava.

Por mim, fico-me pelos Oxfords e pelos Derbys.

Despacito será talvez a música do ano. Menos mal. Podia ser Felices Los 4.

Nunca tinha ouvido Felices Los 4, nunca tão pouco tinha ouvido falar de Maluma. E eis senão quando, um pouco antes ou um pouco depois de Luis Fonsi e Daddy Yankee terem dado um ar de sua graça na estação de rádio que tocava, surge o verso:

Si conmigo te quedas
O con otro tú te vas
No me importa un carajo
Porque sé que volverás

Espera… Como diz que disse? Então e o Despacito? Já se foi?

Percebendo o artista certamente que tal pérola não seria de fácil entendimento à primeira, repete logo de seguida, para que dúvidas não restem. Ainda não estava completamente convencido do que ouvia, quando surge nova estrofe, para arrumar de vez com a conversa:

Y si con otro pasas el rato
Vamo’ a ser feliz, vamo’ a ser feliz
Felices los 4
Te agrandamos el cuarto

Despacito? Volta, estás perdoado.

E é este o momento em que recordo o Despacito. “Tú, tú eres el imán y yo soy el metal…”? Sim, claro. Porque não?

Firmo en las paredes de tu laberinto
Y hacer de tu cuerpo todo un manuscrito

Venha de lá isso então. Poesia da boa. E digo-o sem qualquer ironia (já “há, nos olhos meus, ironias e cansaços” que bastem).

Ainda me pergunto se entre os milhares (milhões) de almas que cantarolam isto de manhã à noite, haverá quem pense no que está a cantarolar. E logo de seguida recordo American Pie quando Don McLean cantava “And we sang dirges in the dark, The day the music died…”

Sim, American Pie, também ela tantas vezes cantarolada, bem e mal tratada mas, diacho, lembram-se da letra? Foram precisas 16 páginas de rascunhos (16 páginas a valerem qualquer coisa como 1.2 Milhões de dólares) para chegar até ao que conhecemos hoje como uma das mais enigmáticas peças da musica popular norte-americana. Deusas, a diferença…

Despacito? Não. Imagem dos rascunhos de American Pie

Uma canção que nos fala sobre três décadas da história norte-americana, da história da civilização pelo que nos concerne. Três décadas, uma eternidade, numa só música. Uma música que nos leva da morte de Buddy Hooly ao concerto dos Rolling Stones em Altamond, passando pelo Elvis, pelos Beatles, pelo Dylan, e Seegler, Baez, Joplin…

Leiam o artigo que Yeoman Lowbrow escreveu há uns dias na Flashback, The Day the Music Died: A Closer Look at the Lyrics of “American Piee depois pensem novamente no Despacito. E na outra que já não me lembro o nome… Lembrem-se também que, tanto a umas como a outras, chamam de música popular…

Já dizia o Rui Reininho “Faz-me impressão e baralho…” mas isso fica para outro dia.

I Walk the Line é o titulo de uma das mais famosas canções de Johnny Cash.

Atribui-se a letra desta canção ao momento da vida de Johnny Cash quando a escreveu: recentemente casado, esperava-se a fidelidade, a responsabilidade e que resistisse às tentações…

A vida de Johnny Cash não foi bem assim, tendo muitas vezes escolhido outros caminhos. Mas a canção I Walk the Line manteve-se sempre como uma das suas marcas, podendo nós, numa interpretação livre do sentido, encontrar lugar para ela em toda a vida do artista. Por alguma razão I Walk the Line foi o nome dado ao (espetacular) filme que conta a vida de Johnny Cash.

I Walk the Line… E ela também…

Não é novidade que eu gosto de Johnny Cash e que este sempre esteve presente na cultura musical que tenho tentado passar à Patrícia

Patrícia Rebelo I Walk The Line

Ao ver esta fotografia, imediatamente me lembrei da canção. E tudo tem tanto sentido…

Quando ela disse “Podes publicar pai”, eu publiquei.

 

Geração Alpha a ditar as regras…

Geração Alpha

Ontem ao almoço o Pedro Vieira falou-me do artigo da Sandra Alvarez no Público mas já a noite ia longa e não me tinha sido possível ler o dito. Eis senão quando, o tal artigo me aparece num alerta do Facebook. Não é tarde nem cedo, vamos lá ver o que escreve a Sandra sobre a Geração Alpha.

A coisa parece-me começar logo mal. No primeiro parágrafo escreveu a autora:

Assim, depois das gerações Z (2000-2010) e Y (1985-1999), que ainda no início do ano passado despertavam especial atenção junto das marcas enquanto as primeiras gerações digitais e verdadeiramente globalizadas, está agora na altura de ficarmos atentos à geração Alpha.

Na minha opinião (que é somente isso, a minha opinião), ou a autora estava atrasada o ano passado, quando achou que as gerações Z e Y estavam a despertar as atenções, ou a autora está muito adiantada agora deixando um ano de intervalo entre o despertar de atenções de uma geração e a outra seguinte.

Eventualmente haverá ainda uma terceira opção: a autora estava atrasada o ano passado e está muito atrasada este ano. Este argumento ganha força no parágrafo seguinte.

Geração Alpha, a que vem depois da Z

Escreve Sandra Alvarez que há poucos dados sobre a Geração Alpha. Diz-me o Google que nem por isso mas, já antevendo o argumento de que há muita coisa no Google que não interessa, passei também pelo site Academia.edu onde encontrei vários trabalhos académicos sobre o tema. Sendo que neste site também se poderão encontrar coisas que não interessem, vamos assumir, para bem da discussão, que há efetivamente muito material de trabalho sobre o tema.

E se era a outros dados que a autora se referia, bem, Mark McCrindle (uma das pessoas a quem se atribui o uso do termo Geração Alpha) há já alguns anos que se dedica a recolher e compilar informação que também a poderia esclarecer.

Mas o parágrafo continua e, poucas linhas depois de nos ter dito que estava na altura de ficarmos atentos à Geração Alpha, dá como referência um documentário da Heinz Papinhas (não perguntem). Certo, é uma fonte como outra qualquer mas (porque os mas são sempre muito importantes nestes argumentos) o que causa alguma estranheza é que o documentário em questão foi apresentado em 2013.

2013. 3 anos antes das gerações Z e Y terem despertado a atenção da autora já a Heinz Papinhas apresentava um documentário sobre a Geração Alpha, sobre a qual diz Sandra Alvarez “está agora na altura de ficarmos atentos”. Agora, em 2017.

A estranheza continua

Daqui em diante várias outras coisas me causam estranheza ou fazem confusão. Entramos na descrição mais ou menos polémica da referida Geração Alpha. Pouco falta para dizer que os indivíduos desta geração já nascem de chip eletrónico atrás da orelha. Não diz mas nem por isso deixa de os assumir como verdadeiros ciborgues:

…integrando-os (os dispositivos tecnológicos) sim na sua vida de forma tão natural que já nem sequer pode ser considerada como uma extensão dos próprios — como constatámos com a geração Z —, mas sim como parte de si.

Também gostava de saber em que diacho se baseia a autora para achar que estes indivíduos terão “forte apetência para criar marcas e empresas desde muito cedo — talvez desde crianças” ou o que quer exactamente dizer com “o ensino escolar será menos didático” e entristece-me sinceramente, pensar que esta nova Geração Alpha possa ser um grupo de meninos mimados “esperando que tudo seja customizado de acordo com as suas necessidades”.

E depois, eis que me lembro das relações humanas e do texto do Luís Bettencourt Moniz, onde se lia sobre “a emergência do H2H (Human to Human)” e sobre as pessoas que “querem ser ouvidas e querem conversar”. Curiosa pois a coincidência de, 24 horas depois, escrever a Sandra que os indivíduos da Geração Alpha “comprarão muito mais online e, por isso, terão menos contacto humano do que as gerações anteriores”.

Em que ficamos? Na fantasia utópica do Luís ou na realidade (desculpem o abuso mas certamente perceberão o sentido) distópica da Sandra?