Privacidade Online

Encontrei esta imagem da Tierney Milne, autora do blog Tear-Knee Design, e de imediato pensei:

“É isto Pedro Rebelo. O grande tema do dia é este mesmo. A privacidade online.”

Bem, este tema leva directamente a uma questão: existe essa coisa de “privacidade online”?

Eu tenho a minha opinião. É pública. Uns dias mais que outros mas, é pública. Hoje talvez não seja a data indicada para a discutir mas, gostava de saber o que pensam vocês sobre o tema. Existe privacidade online?

Online Privacy by Tierney Milne

Online Privacy by Tierney Milne in https://tearkneedesign.wordpress.com/2013/02/20/russian-constructivism-online-privacy/

Partilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
Comments { 1 }

Medos Irracionais – Teletubbies

Os medos são necessários. Há poucos dias atrás encontrei-me a explicar isto à filha de um grande amigo meu. Os medos são necessários.

É necessário que os tenhamos, de forma a que possamos aprender a conviver com eles, a superar os que devem ser superados, a respeitar os medos que devem ser superados.

Depois há os medos irracionais. E esses são, essencialmente, irracionais. Sem razão.

Pedro Rebelo Medos Irracionais Teletubbies

Ter medo do escuro, a nictofobia, só por si, é algo de irracional. Se existir uma razão para isso, então sim, terá sentido. Quando se diz às crianças que no escuro se esconde o papão, que nos escuro vivem as bruxas e os demónios, pudera, é natural que as crianças tenham medo do escuro… As crianças e não só.

Mas nestes casos, bem vistas as coisas, o medo não é do escuro mas sim das outras coisas que estupidamente se associam a este.

Como o medo do escuro, existe um sem numero de outros medos, irracionais, que atormentam as pessoas, muitas vezes desde a mais tenra idade e muitas vezes, ao longo de toda a vida.

Quando temos consciência dos mesmos podemos, digo eu que não sou psicólogo, tentar fazer algo para ultrapassar esses medos. Em criança, o confronto directo com as realidades que nos aterrorizam talvez não seja a melhor opção. Talvez faltem estruturas emocionais para amparar as emoções… Talvez, não sei.

Já em adulto, bem, se feito em consciência, não tenho nada a apontar. De peito aberto, inspira, diz lá o que te mede medo.

Os Teletubbies. Os Teletubbies metem medo.

Há já uns anos apresentei estas tenebrosas criaturas à minha filha de forma a que ela não fosse apanhada de supresa. Antes de lhas mostrar disse-lhe a minha opinião sobre elas e a relação de distância que assumidamente com elas quero manter.

A Patrícia sorriu, riu e depois, ao ver os Teletubbies, voltou a rir dizendo que era uma parvoíce, que os Teletubbies não faziam mal a ninguém.

Agora, finalmente, alguém viu o mesmo que eu, alguém percebeu e entendeu o medo que se esconde por trás daquelas criaturas que dão pelos nomes de Tinky-Winky, Dipsy, Laa-Laa e Po (que raio, até os nomes nos fazem tremer).

Obrigado Christopher G. Brown por o teres mostrado ao mundo neste video incrível. Obrigado por me teres levado a este confronto. Obrigado porque assim já há uma razão para este medo parvo, irracional.

Partilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
Comments { 0 }

Adeus Luis Miguel Rocha

Pedro Rebelo e o Luis Miguel Rocha

Diacho Luis, parece que foi ontem… Parece que foi ontem, que depois de anos a falarmos sem nunca nos termos encontrado, finalmente demos o tal abraço, num fim de tarde entre um copo e conversas mais ou menos filosóficas… Parece que foi ontem…

Tantas vezes conversámos, comentámos… Temas e gostos em comum, histórias dos que cá ficam… E sempre com um sorriso.

Parece que foi ontem Luis, que me perguntaste como estava das minhas dores nas costas e me disseste “Chocolate negro é um repositor imediato de magnésio”…

Também tu partiste cedo demais.

Um abraço Luis Miguel Rocha. Aproveita e descansa um pouco.

Partilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
Comments { 0 }

Trabalhar ao sábado no Brick Café

Pronto, está bem… Há trabalhar ao sábado e há trabalhar ao sábado no Brick Café. Há trabalhos que se fazem com mais gosto que outros…

Trabalhar ao Sábado no Brick Café Pedro Rebelo

E quando o gosto de trabalhar ao sábado (seja ele muito ou pouco), é mais ou menos o mesmo, tudo se pode resumir ao sitio que escolhemos para trabalhar. Eu sei que isto é válido, tanto para trabalhar ao sábado como em qualquer outro dia da semana mas, tendo em conta que hoje é sábado, fiquemos-nos por aqui, a trabalhar ao sábado no Brick Café.

Este é um bom sitio para trabalhar ao sábado. Principalmente nestes sábados, meio chuvosos, ainda meio indefinidos, quando não se sabe bem para que lado vai o dia cair.

Não se iludam, trabalhar ao sábado no Brick Café, daqui a uma ou duas horas será impossível. Começam a juntar-se os Clientes para o já internacionalmente famoso brunch (sim, já saiu na Monocle) de fim-de-semana e nessa altura, mesmo que o nosso bom senso e educação não estejam nos seus melhores dias, acabamos por dar lugar a quem quer experimentar a tão falada refeição.

Então porque raio é bom trabalhar ao sábado no Brick Café? Porque desde que abre até que chegue a hora do brunch, o Brick Café é igual aos outros dias, sossegado, com boa musica, bons bolos, um grande cappuccino e uma equipa cinco estrelas. Somando a isso tem ainda tomadas de electricidade debaixo das mesas e free wifi. Estão a ver a coisa?

Duas ou três horas de trabalho valem por quatro ou cinco e isso, faz do Brick Café um bom sitio para trabalhar ao sábado.

Haverá outros certamente (aceito dicas e sugestões ok?) mas eu gosto deste.

Partilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
Comments { 0 }

Crazy Train ou Cenas de Pai

Sim, que isto de ser pai, tem muito que se lhe diga… E como ser pai não é só receber mimos e beijos doces, pareceu-me uma altura tão boa como qualquer outra para exercer outra das funções de pai: a de educador.

Confesso que já não sei porquê, mas esta manhã, ao entrarmos para o carro, referi a expressão Crazy Train. Daquelas coisas que eventualmente não teria qualquer sentido considerando que, nem de perto nem de longe, falávamos de comboios.

Pergunta-me a Patrícia:

“Pai, de que é que estás a falar? O que é o Crazy Train?”

Ora bem, este é um daqueles momentos verdadeiramente estranhos mas que podem (e certamente acontecem) acontecer na vida de qualquer pai. Chegou a hora de explicar à Patrícia o que é o Crazy Train.

São 8 da manhã. Pai que é pai faz aquilo que tem que ser feito. Saca do telefone, vai ao Youtube e…

“Filha, este “avozinho” continua a dar música a muita gente. Importante é aprender que, independentemente do tipo de música pela qual se tem preferência, há boa música em todo o lado, em todos os géneros. Esta por exemplo, é uma boa música.”

A explicação sobre a paranóia da Guerra Fria, as armas nucleares, o Nash equilibrium e o John von Neumann ficam para mais tarde, com tempo.

Ainda assim, fiquei com muita vontade de propor à nossa filha uma sessão de cinema caseiro este fim de semana: Cobertores, pipocas e Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb.

Partilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
Comments { 0 }